Terça-feira, 11 de Julho de 2006

A Inutilidade dos Sindicatos

Proletariado de todo o mundo: Uni-vos! Karl Marx

Quando, há mais de um seculo, um punhado de trabalhadores se uniram para fazer reinvindicações de salarios mais altos, sabiam que a união faz a força. Agindo como um bloco, os trabalhadores detem uma força colectiva que se contrapôe aos interesses puramente de lucro dos proprietarios.
Este equilibrio de forças permite, teoricamente, que os trabalhadores consigam melhorias para as suas vidas, recebendo salarios que estão acima do equilibrio de preços, minando os lucros das empresas. Os preços acima do equilibrio aumentam o desemprego, mas garantem regalias para os que estão empregados.
Os sindicatos não são maus da fita, nem o são as empresas. Acredito que os sindicatos detem um papel interessante no equilibrio de forças, no seu amago, o confronto entre oferta e procura.
No entanto, num mundo globalizante como o que é agora, os sindicatos são no minimo inconsequentes e no maximo, inuteis. Os sindicatos dependem unicamente de controlarem a mão de obra de um mercado. Num mercado globalizante, em que as empresas são multinacionais sem problemas de mudarem as instalações para outro pais, os sindicatos só conseguem agir localmente. Se os sindicatos estão a aumentar os salarios num pais, e no pais do lado, apesar das mesmas condições de produtividade, a força sindical não for tão grande, então a multinacional muda para esse pais.
Outro dos grandes problemas dos sindicatos é que muitas vezes não são razoaveis. Exigem para alem do possivel e alem disso, detem uma visão limitada. Preocupam-se somente com os que estão empregados, não dando a minima atenção aos que procuram emprego. De facto, até parece que não se preocupam com o pais em si, quando detem a responsabilidade moral de serem a voz dos trabalhadores e cidadãos.
Quando Karl Marx proferiu a sua famosa frase, nunca imaginou o que iria acontecer quase 150 anos depois. E a sua frase não deixou de ser valida. Se os sindicatos querem deter algum poder neste mundo global, terão de crescer como as empresas, á escala global, de modo a acompanharem as mudanças.
 

publicado por Oraculo às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

.Informações

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. O problema de um free rid...

. A velha questão de onde g...

. Economices de uma saída á...

. Combustíveis, petróleo e ...

. Responsabilidade Social e...

. Mudanças na UALG

. Crise Imobiliária Parte I...

. Quem disse que tirar um c...

. A Crise Financeira no sec...

. Um pensamento disconexo

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.links

Blog Top Sites
Blog Directory
Locations of visitors to this page

.Khonya

.subscrever feeds