Domingo, 5 de Agosto de 2007

Mudanças na Lingua Portuguesa

Language is not only an instrument of communication or even of knowledge, but also an instrument of power. One seeks not only to be understood but also to be believed, obeyed, respected, distinguished.  Pierre Bourdeau
Li recentemente algo que me deixou bastante preocupado e até mesmo enojado. Não sou nacionalista extremo e nem sequer me importo com alguns pontos que muitas pessoas levam a peito.
No entanto, na passada sexta-feira li um artigo que, inexoravelmente, me deixaria muito preocupado: A Língua Portuguesa irá ser alterada em 2008, uniformizada por todo o mundo Luso. Ou seja, diferenças de grafia deixarão de existir nas diversas línguas portuguesas do Mundo Lusófono.
 
O resumo das mudanças está aqui apresentado:
 

-As paroxítonas terminadas em "o" duplo, por exemplo, não terão mais acento circunflexo. Ao invés de "Abençôo", "enjôo" ou "vôo", os brasileiros terão que escrever "abençoo", "enjoo" e "voo".

- mudam-se as normas para o uso do hífen

- Não se usará mais o acento circunflexo nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo dos verbos "crer", "dar", "ler", "ver" e seus decorrentes, ficando correcta a grafia "creem", "deem", "leem" e "veem".

- Criação de alguns casos de dupla grafia para fazer diferenciação, como o uso do acento agudo na primeira pessoa do plural do pretérito perfeito dos verbos da primeira conjugação, tais como "louvámos" em oposição a "louvamos" e "amámos" em oposição a "amamos".

- O trema desaparece completamente. - O alfabeto deixa de ter 23 letras para ter 26, com a incorporação de "k", "w" e "y".

- O acento deixará de ser usado para diferenciar "pára" (verbo) de "para" (preposição).

- Haverá eliminação do acento agudo nos ditongos abertos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas, como "heróica" e "jibóia". O certo será assembleia, ideia, heroica e jiboia.

- Em Portugal, desaparecem da língua escrita o "c" e o "p" nas palavras onde ele não é pronunciado, como em "acção", "acto", "adopção" e "baptismo". O certo será ação, ato, adoção e batismo.

- Também em Portugal elimina-se o "h" inicial de algumas palavras, como em "húmido", que passará a ser grafado como no Brasil: "úmido".

- Portugal mantém o acento agudo no e e no o "bónus"n que antecedem m ou n, enquanto o Brasil continua a usar circunflexo nessas palavras génio/gênio fenómeno/fenômeno.

Revista Isto É, Folha de São Paulo.
 
 
 
 
 
Honestamente, fiquei horrorizado, quando me apercebi das alterações. Eu até consigo aturar o facto de a nossa independência económica estar noutro sitio, assim como enfrento o facto de a nossa soberania nacional estar a ser diluída na União Europeia. Agora, desculpem se eu não consigo compactuar com a ideia de ver parte intrínseca e integrante da nossa cultura ser destruída num acordo para a Unificação da Língua.
A Língua de Camões é nossa, e é diferente da Língua de Jorge Amado. Enfrentemos esse facto e celebremos as nossas diferenças. Poderão vir com a ideia de que a nossa língua tem algo a perder com as diferenças de grafia, no que toca a comunicação. Discordo totalmente, pois a diversidade cultural existente entre Portugal e o Brasil deverá ser tida em conta, visto sermos povos com posições de estar e ser completamente distintas. Como tal as diferenças na nossa língua deverão ser olhadas com a perspectiva evolucional: cada língua evoluiu de acordo com o seu contexto.
Confesso que não me agrada ter de escrever “Direto” em vez de “Directo”. Tenho orgulho em ser Português de Portugal, e não tenho grandes problemas em assumir que o Português do Brasil é o mais ensinado por esse mundo fora. Porem, gostaria de manter este bocadinho de alma lusa que é a nossa língua, sem qualquer adulteração imposta em acordo. As línguas evoluem naturalmente, não são fruto de imposições de acordos entre países.
Mas o que mais me chateia neste facto é que, tudo parece estar bem para os Portugueses. Afinal de contas, parece que somos um povo fascinado com o Brasil, mais do que os nossos congéneres brasileiros por nós. Adoramos o Brasil: qualquer musica que venha de lá, é assumidamente aceite em Portugal. Bares com musica Brasileira como o “Fórró” e o “Samba” estão categoricamente apinhados de gente, enquanto que no Brasil esta mesma musica é tida como “pimba”.
 
Vivemos num pais sem qualquer orgulho em si, e com “ganas” de desprezar a nossa herança cultural do fado e da bela literatura Portuguesa, trocando-a pela cultura alienígena do Brasil, que detêm todo o direito de existir. Não há uma língua ou cultura correcta e penso que todas as culturas devem ser aceites. Somente creio que poderíamos aprender o gosto dos Brasileiros pela sua cultura e país. Não teve de vir um Brasileiro ensinar-nos a amar a bandeira das quinas? Talvez merecemos este triste fado de vermos a nossa cultura pouco a pouco destruída… não gostamos do que é nosso.
 
E alem disso, até o nosso Nobel de Literatura clama pela anexação a Espanha, ele que nem a Língua Portuguesa sabe utilizar nos seus livros.
E sinceramente, prefiro falar espanhol a Brasileiro: identifico-me mais com Espanha.
 

 


publicado por Oraculo às 15:57
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Celso a 28 de Fevereiro de 2009 às 22:57
Sou brasileiro e concordo com o seu comentário. Se eu fosse português também não gostaria de tantas mudanças no meu idioma. Nós mudaremos menos de um terço do que vocês mudarão e mesmo assim estamos reclamando dos portugueses, dizendo que querem mudar a nossa maneira de escrever.

As culturas de todos os países devem ser respeitadas, independente de onde estão e de onde vêm.

Acho que no futuro haverá dois idiomas: o brasileiro e o portuguÊs. É uma evolução natural dos idiomas, tal como o latim deu origem ao portugues, ao romeno, ao espanhol, etc, etc, etc.

E vc tem razão, forró e assemelhados são tidos como música de má qualidade por aqui, hehehe. Pena que façam tanto sucesso aí.

Saudações


Comentar post

.Informações

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. O problema de um free rid...

. A velha questão de onde g...

. Economices de uma saída á...

. Combustíveis, petróleo e ...

. Responsabilidade Social e...

. Mudanças na UALG

. Crise Imobiliária Parte I...

. Quem disse que tirar um c...

. A Crise Financeira no sec...

. Um pensamento disconexo

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.links

Blog Top Sites
Blog Directory
Locations of visitors to this page

.Khonya

.subscrever feeds