Terça-feira, 3 de Junho de 2008

Economices de uma saída á noite.

An economist is a man who states the obvious in terms of the incomprehensible Alfred Knopf

Apesar da minha formação académica complementar e profissão ser algo paralelo, considero-me, acima de tudo, um economista. Embora a profissão de economista seja algo que não está plenamente definido, acredito que o que define um economista seja mais a sua postura e perspectiva sobre o mundo mais do que qualquer outra coisa. No fundo, e como definiu o Steven Levitt, economista co-autor do Freaknomics, a economia é a ciência que estuda os incentivos. E é com esse quadro mental que estou formatado e no qual raciociono muitas das questões que abundam na realidade quotidiana. Aqui deixo alguns das situações com que me deparo:


No fim de semana passado, numa normal saída com amigos, decidimos ir a um bar numa localidade do Algarve, bastante conhecida. Quando entramos, entregam-nos um cartãozinho para apontarem as bebidas que consumirmos, como é normal neste tipo de sítios. No final do cartãozinho, estava uma advertência: “A perda deste cartão implica o pagamento da quantia de 90€”. Claro que já tinha visto o mesmo aviso em muitos outros cartões, mas pela primeira vez, olhei para aquela advertência como um economista. È uma questão curiosa: se mantivermos o cartão, o nosso consumo será um custo variável; se perdermos o cartão, o nosso custo passa a ser fixo. È uma dicotomia interessante, ou seja, temos um incentivo para “perdermos” o cartão quando a nossa despesa ultrapassa os 90€! Não é preciso ser um economista para se perceber isso; já vi muitos amigos e conhecidos meus implementarem esta estratégia.
Em linguagem económica, uma pessoa tem um incentivo enorme para perder o cartão quando os seus custos variáveis excedem o custo fixo a pagar com a perda do cartão. Se o cliente estiver sozinho e procurar beber os 90€ sozinho, admitamos que será difícil sair do bar sem cambalear, a não ser que invista em Moet & Chandon ou um whisky carote. Como o álcool também obedece á lei dos rendimentos decrescentes, uma unidade adicional de álcool ingerido trará menos prazer ao cliente, a partir de uma certa altura. A partir de uma quantidade ingerida, o beneficio ficará negativa, no sentido de entrar num alegre coma alcoólico, ou pelo menos sujar o chão do bar. Ou seja, este cliente sozinho, mesmo que ultrapasse os 90€ e perca o cartão, a casa estará a ganhar, pois o prejuízo deverá ser compensado pelos restantes clientes, mais regrados, e realizará uma boa venda, embora a sua margem tenha sido mitigada pelo consumo adicional não pago.


Mas... se o cliente estiver com amigos (o que é mais provável, convenhamos), e colocar toda a conta num só cartão e depois “perder” o cartão, então a casa poderá potencialmente perder bastante. No seguimento do raciocínio, um grupo inumerável de clientes poderá beber para alem dos 90€ e não sentir a brutal ressaca do dia a seguir. No entanto, a casa não é estúpida: os cartões tem um numero limite de bebidas a serem imputadas (18 para ser mais preciso), o que levará a que seja necessário que essas bebidas custem mais do que 5€ cada para que a perda do cartão seja benéfico. Como uma boa parte das bebidas chega marginalmente a esse valor, então poderemos safarmo-nos com o pagamento dos 90€, e bebermos mais do que esse valor, se investirmos nas bebidas mais caras. Porêm, ao investir nas bebidas mais caras, o mais provável é que chamemos a atenção dos colaboradores do bar, pelo que aumenta o risco de sermos apanhados.

 

É claro que quanto maior o risco, maior a recompensa; neste caso pedirmos as tais garrafas de Don Perignon e “perdermos” o cartão e pensarmos que talvez possamos limitar um gasto estupendo a 90€ na noite. È claro que convenhamos, que gastar 90€ numa noite não é todos os dias...
 


publicado por Oraculo às 10:48
link do post | comentar | favorito
|

.Informações

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. O problema de um free rid...

. A velha questão de onde g...

. Economices de uma saída á...

. Combustíveis, petróleo e ...

. Responsabilidade Social e...

. Mudanças na UALG

. Crise Imobiliária Parte I...

. Quem disse que tirar um c...

. A Crise Financeira no sec...

. Um pensamento disconexo

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.links

Blog Top Sites
Blog Directory
Locations of visitors to this page

.Khonya

.subscrever feeds